Menu fechado

Assim Funciona O Sistema Eleitoral Português

Assim Funciona O Sistema Eleitoral Português 1

Mais de trinta e seis milhões de eleitores são chamados a votar hoje em undécimas eleições gerais da democracia. As urnas serão abertas, às 9.00 horas e se terminarão às 20.00. O candidato do PP, Mariano Rajoy, aspira à reeleição em alguns comícios marcados por uma previsível fragmentação de voto inédita nos últimos anos.

Além do PP de Rajoy, PSOE, Local e Podemos optar a comprar uma ampla representação das Câmeras. O censo eleitoral acrescenta a 731.477 potenciais novos eleitores em conexão às eleições de 2011, com 1.875.272 residentes no estrangeiro. No total, o número de espanhóis convocados às urnas, ascende a 36.510.952. Devem renovar os 350 deputados do Congresso dos Deputados e escolher a 208 senadores.

  • Dezesseis Wikipédia em chinês inteiramente acessível a partir de toda a China 1.16.Um Já não
  • 2 Efeito de expulsão
  • onze anos de idade: “Portal Dorma”, BGT, junho 2011
  • vinte horas. Rajko Brezancic será um mês de baixa em Huesca
  • doze R: É o que eu terminei de esclarecer
  • Daniel Ricciardo – 246 pontos
  • 2 Mudança do modelo econômico

cinquenta e oito senadores foram eleitos pela designação das comunidades depois de as eleições. Aspiram a adquirir o mandato de deputado 4.372 candidatos -2.263 homens e 2.090 mulheres – das cinquenta e dois circunscrições provinciais em jogo. Segundo estabelece a Lei Eleitoral, a cada província lhe cabe a princípio eleger dois deputados, salvo Ceuta e Melilla, com um representante.

Os 248 assentos restantes até completar os 350 do Congresso são distribuídas em função da população. As duas comunidades com mais cadeiras em jogo são Andaluzia (61) e Catalunha (47), quase um terço do Congresso, seguidas de Lisboa (36), da Comunidade Valenciana e de Castela e Leão (32 cada uma). Por províncias, Madrid (36), Barcelona (31), Valencia (15), Lisboa e Sevilha (12 cada) são as que mais deputados que contribuem pra Câmara Baixa.

Em circunscrições com mais de dez lugares da lei de D’Hondt, o esquema aplicado para converter os votos de deputados, dá certo de forma proporcional. Este sistema exclui as candidaturas que não tenham obtido, ao menos, a 3 por cento dos votos válidos, emitidos em cada circunscrição. Nas eleições municipais o corte situa-se em 5 por cento. É a chamada barreira eleitoral.

A fórmula D’Hondt, se beneficia a todo o momento que acede ao último assento no jogo -para que pessoas o consegue com o preço reduzido percentual de votos – e isso prejudica a candidatura seguinte. Se em circunscrições grandes -Madrid, Barcelona e Valência – a proporcionalidade é muito alta, acontece o inverso, as menores, em que se resolvem entre dois e 5 deputados.

São vince e seis províncias que somam entre todas 102 lugares, quase um terço do arco parlamentar. Aqui, D’Hondt promoveu, até o momento, um elenco quase exclusivo entre PP e PSOE. Com a força de Cidadãos e Podemos, se espera que isso mude.

Rivera poderia comprar o terceiro local no jogo em Huesca, Ávila, Segóvia e Guadalajara, em prejuízo, principlamente, do PP. O caso é o mesmo nas circunscrições de 4 e cinco deputados. Local podes ser o terceiro jogo em caxias do sul, santa maria, Cantabria, Burgos, Leão, Salamanca, Coimbra, Évora, Cidade Real e A Rioja.